Por que sofrer? Pela expiação dos pecados públicos

imgMuitas pessoas perguntam por que sofrem; a não compreensão do sofrimento tem sido até causa de apostasia da única religião verdadeira. Por isso, apresentamos o texto abaixo, que fornece uma razão bastante atual para os nossos sofrimentos. Esse texto será dividido em 3 posts.

“Segunda razão.
Expiação dos pecados públicos e nacionais.

A segunda razão pela qual você deve sofrer, especialmente em tempo de calamidade geral, é: como membro da sociedade e cidadão de seu país, você deve se juntar com o resto [das pessoas] para a reparação e satisfação requeridas pela Divina Justiça para os pecados públicos e nacionais cometidos na comunidade em que você vive.

Por pecados públicos e nacionais, entendemos alguns pecados de natureza mais grave que são cometidos em escala tão grande e por tantas pessoas em uma comunidade, seja uma cidade, província ou nação inteira, que eles são atribuídos à comunidade como um todos e não somente àquele ou esse indivíduo. Pecados desse tipo são: apostasia da fé, irreligião e esquecimento de Deus; educação sem Deus da juventude; profanação do nome de Deus, imprecações, blasfêmias e perjúrios; profanação do Domingo; modas imodestas e escandalosas; artes, literatura e divertimentos imorais; divórcio e adultérios sancionados por lei iníquas do Estado; desonestidade, injustiça e opressão dos pobres, assassinatos e suicídio de raças; e, finalmente, orgias selvagens de grande imoralidade e licença sem freio que periodicamente desgraçam as festividades públicas e celebrações, ou que ocorrem em bailes, danças, banquetes e semelhantes.

Deus é extremamente paciente e tolera por muito tempo, e não inflige castigos gerais de bom grado, mesmo que sejam muito merecidos por uma comunidade. Ele prefere, na verdade, que seus filhos que o ofendem busquem perdão por meio de arrependimento e conversão oportuna. Ele esperou cem anos antes de mandar o dilúvio, que havia encarregado Noé de anunciar; Ele permitiu que 40 anos transcorressem entre a predição feita por Nosso Senhor da destruição vindoura de Jerusalém e o cumprimento da profecia pelos Romanos no ano 70; Ele poupou a cidade de Nínive integralmente porque seus habitantes imediatamente deixaram de pecar e se apressaram a fazer penitência com a pregação de Jonas.

Deus age dessa maneira até agora. Ele frequentemente espera um longo tempo antes de infligir as cidades e nações pecaminosas os castigos mais pesados que as sua múltiplas iniquidades pedem. Ele deseja poupá-las e tenta, portanto, em primeiro lugar, de todas as maneiras, chamá-los ao dever e a uma oportuna conversão e arrependimento. Mas se, apesar desses atrasos, elas obstinadamente recusarem a entrar em si e deixar o pecado; se continuarem em sua maldade, às vezes até pecando mais arrojadamente porque suas más ações não são punidas imediatamente, então deve chegar a hora na qual a media da iniquidade foi completada até o transbordamento.

Essa hora marcará o início de alguma visitação geral que cairá pesadamente sobre a comunidade culpada como uma punição justa de suas longamente continuadas transgressões à Santa Lei de Deus – enchentes destrutivas ou tempestades, conflagrações, terremotos; períodos de escassez ou fome; epidemias e pestilências; e, especialmente, os horrores de rebeliões e revoluções, de guerras civis e internacionais. A justiça divina usa esses males para a punição e correção do povo pecador da mesma maneira que um sábio pai de família usa a vara para o castigo e emenda de seu filho teimoso”.

Padre Lano

Comentários no Facebook