Paracatu está entre os municípios em alerta para o risco de infestação por Dengue

As ações da operação de ” Combate à Dengue” serão intensificadas nas áreas onde o LIRAa registra maior presença do Aedes aegypti

O Levantamento de Índice Rápido de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) deste ano revela que 77 municípios brasileiros estão em situação de risco para a dengue (entre as capitais, apenas Porto Velho); 375 em situação de alerta e 787 foram considerados satisfatórios.

A pesquisa, que traça um panorama para identificar onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito transmissor da dengue, foi realizada em 1.239 municípios, o que representa um acréscimo de 31% com relação aos participantes de 2011. No ano passado 800 municípios realizaram o LIRAa.

Para qualificar as ações de vigilância, prevenção e controle da dengue, o Ministério da Saúde está repassando a todos estados e municípios brasileiros R$ 173,3 milhões. Os recursos representam 20% do valor anual do Piso Fixo de Vigilância e Promoção à Saúde e são destinados ao aprimoramento das atividades de controle do vetor, vigilância epidemiológica e assistência ao paciente com dengue.

Os municípios classificados como de risco apresentam larvas do mosquito em mais de 3,9% dos imóveis pesquisados. É considerado estado de alerta quando menos de 3,9% dos imóveis pesquisados têm larvas do mosquito, sendo índice é satisfatório quando está abaixo de 1% de larvas do Aedes aegypti. Dos 77 munícipios em situação de risco neste estudo mais recente, 58 realizaram o LIRAa pela primeira vez e 10 mantém a situação de risco, a exemplo de 2011.

Em MG apenas Governador Valadares tem risco de surto com índice de infestação de 4,8%. Na nossa região, Paracatu tem índice de infestação de 2,1 e Unaí vem logo em seguida com 2%, ambos em risco de alerta. Já a cidade de Vazante se destaca e tem o índice 0% de infestação, nossa capital BH tem 0,5% de infestação, as duas últimas se enquadram no nível satisfatório.

Veja o LIRAa completo.

Com informações do Estadão – adaptado.

Comentários no Facebook