Confira como foi o Enem e veja o gabarito

 

O Enem foi realizado em todo país, ontem (3) e hoje (4), para os milhões de inscritos. A prova não foi difícil, porém muito cansativa, “Cheguei às questões de matemática e já estava meio zonzo, no final chutei a maioria”, ressaltou o estudante Thiago Luiz que pretende fazer Educação Física. Já Jéssica Maria ficou surpresa com o tema da redação: “Estava esperando algo sobre o mensalão, sobre as cotas ou sobre as olimpíadas ou algo do tipo”.

O Enem teve 5,7 milhões de inscritos com um índice de abstenção de 27,9%. Segundo o Ministro da Educação, Aloizio Mercadante, cerca de 4.175.000 de inscritos fizeram as provas e cerca de 1,5 milhão de candidatos, que fizeram a inscrição, não apareceram para fazer as provas.

Sessenta e cinco candidatos que tiraram fotos da prova foram eliminados, segundo o ministro é necessário aprimorar a legislação penal: “Nós precisamos aprimorar a legislação no Brasil, não podemos permitir que qualquer cidadão possa prejudicar os estudantes que estudaram, as equipes que ficaram meses trabalhando para realizar a prova. Uma irresponsabilidade como esta gera prejuízo e insegurança muito grande”.

Por fim ressaltou: “Nós advertimos, mostramos que eles iam ser retirados e não adiantou. É coisa de quem quer deixar registrado a sua ousadia, não tem responsabilidade com a prova. Isso desestabiliza, gera insegurança processual. Temos que ter uma regra e eles precisam ser responsabilizados“.

Confira o gabarito do segundo dia de provas:

As questões forem resolvidas pelos professores do Anglo Vestibulares e está disponível no site da Veja.

Acesse o PDF das questões 1º dia clicando aqui

Acesse o PDF das questões 2º dia clicando aqui.

As respostas não representam o gabarito oficial do Inep, que será divulgado somente nesta quarta (7).
 

Entenda como é feito o cálculo das notas do Enem

As notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) são calculadas a partir da teoria de resposta ao item (TRI). O cálculo final não soma a quantidade de respostas certas, mas a “qualidade” destas respostas. Na TRI, o foco é no item, como é chamada cada questão. A teoria é o conjunto de modelos que relacionam uma ou mais habilidades com a probabilidade de a pessoa acertar a resposta. Assim, dois candidatos podem acertar o mesmo número de questões, mas terão pontuações diferentes de acordo com quais questões ele acertou.

Pela teoria, o número de questões por nível de dificuldade em cada prova e as demais características dessas questões afetam o resultado. Assim, um candidato que acertar 40 questões não necessariamente terá uma nota final maior de outro que acertar 35.

Redação tem cálculo diferente

No Enem, somente a correção da prova de redação não é feita com base na TRI. A partir deste ano, a redação será corrigida por dois corretores de forma independente, sem que um conheça a nota atribuída pelo outro. A nota final é composta de cinco notas, que avaliam competências específicas do candidato.

A nota final corresponde à média aritmética simples das notas atribuídas pelos dois corretores. Caso haja discrepância de 200 pontos ou mais na nota final atribuída pelos corretores (em uma escala de 0 a 1.000), ou de 80 pontos ou mais em pelo menos uma das competências, a redação passará por um terceiro corretor, em um mecanismo que o Inep chama de “recurso de oficio”.

Se a discrepância persistir, uma banca certificadora composta por três avaliadores examinará a prova. Os candidatos poderão solicitar vistas da correção, porém não poderão pedir a revisão da nota.

 Fonte: G1

 

Comentários no Facebook